cadernos 

perdidos

CONHEÇA A HISTÓRIA EMOCIONANTE DE UMA MISSIONÁRIA EM CAMPO 

POR NAYLA CINTRA

 TODA SEMANA UM NOVO CAPÍTULO! 

1

como nascem os sonhos?

   01 de Maio.

 

   Não posso dizer que houve um dia em que eu me tornei cristã, talvez tenha sido um processo em vários episódios, já que, meio que “nasci” na Igreja. A conversão de meus pais ocorreu quando eu tinha uns dois aninhos e, desde lá, a Igreja tem sido uma segunda casa, às vezes, até a primeira.


   Algo que não me recordo claramente, mas é mencionado por meu pai, é que eu e a Fran - uma de minhas irmãs - “recebemos” a Cristo ainda pequeninas. Quando ele nos contou a história de Jesus e de como o Senhor nos amou dando sua própria vida na cruz pelos nossos pecados, nós duas, chorando, pedimos que Jesus habitasse em nossos corações.


   Nesse ambiente de vida cristã, fui crescendo. Às vezes, em tempos de muitas dificuldades, mas também aprendendo a amar a Deus e a conhecê-Lo. Em muitos períodos, tive vontade de desistir, muitas vezes, desisti. Mas Jesus, não! Ele é assim, nunca perde a esperança. 

    Diante de tantas questões filosóficas, fico a pensar que, assim como minha vida cristã, o sonho de me tornar missionária também nascera nos episódios, salpicados em momentos, histórias e “sinais”, tal como uma doce melodia que envolve a alma e faz-nos apaixonar. Sim, Jesus é irresistível e quando estou diante d’Ele, TUDO se torna menor, incomparável. Então, me apaixonei por Ele quando Ele se revelou a mim.


   Lembro-me, quando criança, de ter ouvido histórias de missionários. Você se lembra de alguma? Respondi a apelos e diante de Isaías 6, fui invadida de calor. Meu coração queimou ao ouvir o Senhor perguntar no mais íntimo do meu ser: “A quem enviarei? Quem há de ir por nós?”. Respondi: “Envia-me a mim!”, talvez, como alguns de vocês também já fizeram. Mas a verdade, é que foi e tem sido uma longa jornada, desde o “chamado” - ou seria ordenança? - até o hoje. Uma jornada que quero contar, bem aqui, tudo bem direitinho.


   Talvez você enxergue quando nasceu o seu sonho, talvez não. Saiba que é muito importante ouvir e obedecer ao Senhor. Então, vai aqui a primeira pérola a compartilhar, algo que aprendi com Jim Stier, fundador da JOCUM (Jovens Com Uma Missão) no Brasil: “Toda obediência tem que ser celebrada”. 

 
   Fazem mais de sete anos que decidi colocar a mochila nas costas e o tênis nos pés - Sim! É bem mais confortável – e, assim, perseguir o tal sonho de pisar meus pés em cada cantinho dessa terra que o meu Deus criou, viver aventuras com Ele. Ainda, note bem, ainda! Não cheguei tão longe quanto tenho desejado, mas passo a passo, Ele tem desenhado minha história, assim como tem desenhado a sua.


   Quero celebrar a obediência, a cada dia me tornar mais sensível a voz do meu Criador e Amado Pai, que pensou em cada detalhe sobre nós. Ele é Aquele que confirma as obras de nossas mãos e nos mostra o caminho que devemos seguir. E você? Também tem celebrado a obediência?

   Se quiser saber mais sobre essas aventuras, cola aqui! Toda semana conto um pouquinho do que Deus feito, e também me sentirei honrada se você contar sobre as suas aventuras.

2

cadernos velhos

  14 de Maio.

 

  Cadernos guardados por muito tempo podem ter certo cheiro de mofo, mas também têm perfume de esperança por remeter ao que passou e ao que ainda pode acontecer. Quando releio muito do que escrevi, dos dramas que passei, posso perceber o quanto Deus sempre esteve ali, presente em tudo. Mesmo que o tempo passe ligeiro, somos os mesmos: Eu e o Senhor, junto a mim, cuidando de cada detalhe. Você também sente assim?


  Há dias em que meu coração queima fervorosamente de amor pelo Senhor, outros dias,
porém, certa frieza tenta me roubar, destruir minha fé e me conduzir em confusão. Em momentos assim, gosto de consultar as histórias antigas registrada nos cadernos, que agora se tornaram velhos. “Trazer à memória o que me pode dar esperança”, como diz Jeremias no livro de Lamentações (3.21).


  Ser missionária tem seus altos e baixos, como qualquer escolha “profissional” ou “vocacional” - fique à vontade para optar pelo termo que lhe parece melhor neste caso. Lembro-me de um dia em que eu estava triste, pensativa em meus próprios desalentos e em tudo que fugia ao meu controle. Uma amiga se aproximou de mim na Sala de Oração e perguntou: “Posso orar por você?”. Amo quando o Senhor faz isso, nos estende socorro quando nos sentimos sem força, quando estamos no limite. Então, fala sobre aquilo que não contamos a ninguém, como um sinal de que nos vê e nos ouve.


  Aquele dia foi tão especial, pois a Ju me indagou se eu escrevia para Deus. Confesso que fiquei atônita diante da questão. Isso era algo tão particular entre o Senhor e eu. Mas Ele mostrou para a Ju que amava quando eu escrevia para Ele. E eu me apaixonei mais profundamente pela gentileza de Jesus. Assim como me vê nas coisas simples que faço, Ele também te vê em tudo o que faz. Até mesmo no que você intenta fazer. Ele sabe do seu desejo de “acertar”, mesmo quando erra o alvo.


  Mais importante que rever meus escritos, é me lembrar das Promessas que Jesus deixou registrada em sua Palavra. Ele é Fiel e tudo que prometeu é verdade. Por isso, traga à sua mente esperança, mesmo nos momentos difíceis que tenha que enfrentar. Deus se lembrará dos pequenos gestos e da sinceridade de teu coração, pois ele te criou com amor. Ele te formou nos pequenos detalhes.


  Então, quando o dia estiver cinzento, lembre-se: o sol voltará a brilhar. Traga esperança para perto e experimente o contentamento de se alegrar n’Ele, Jesus. E, se quiser, escreva! Pois Ele amará ler suas letras, mesmo quando os cadernos se envelhecerem.


“Meu coração rompe as própria barreiras, transbordando beleza e bondade. Eu o derramo num poema para o rei, fazendo um rio de palavras.”

Salmo 45.1

3

É HORA DE FAZER AS MALAS

22 de Maio.

 

  O novo pode se tornar assustador, principalmente para uma garota como eu. Sempre desejei ir além dos meus sonhos, fazer coisas inacreditáveis, marcar histórias, mas também sou daquelas bem apegada ao lar. Além disso, o medo, muitas vezes prendeu meus pés ao chão. Existe grande diferença entre sonhar e ter a coragem para dar passos de fé. Sempre pensei em tudo que poderia acontecer, e que seria um caminho sem volta. Sabe aquela sensação de borboletas no estômago?


  Muitas perguntas passavam pela minha mente: como tudo seria lá? Nesse caminho que estava disposta a seguir. Deixar minha casa, a família, meus amigos. Como tudo seria do outro lado do sonho? Como é realizar? 

 

  Só existe uma forma de obter tais respostas e a fórmula é partir e se arriscar. Deixar que o “romance” se torne maduro e se cristalize em amor. A hora chegou de fazer as malas, escolher o que levar e o que deixar. O clima também irá mudar drasticamente, do escaldante calor a um novo frio. Do cerrado para os montes. Do centro Oeste para o Sul. E, quem sabe um dia, do Brasil para outro país. De minha língua mãe para uma língua nova, outra, bela. Apesar do medo, me sinto curiosa.


  Sou do tipo apegada, gosto de colecionar… há tantas coisas a ficarem para trás. Livros,
objetos de decoração, peculiares delicadezas minhas. Mas levarei histórias já vividas,
piadas engraçadas, e tantos momentos. Agasalhos! Não posso me esquecer dos
agasalhos, e de cadernos que serão diários.


  Existe uma aula em missões chamada: “Renúncia de Direito”. Demonstra um pouco do que Jesus deixou por amor a nós e nos leva a pensar no que podemos abrir mão por amor ao Mestre. Ele carregou sobre Si as nossas dores e pelas suas pisaduras fomos sarados. Quando vejo tudo o que Jesus deixou por mim, qualquer sacrifício parece pequeno. E não é culpa, ou uma tentativa de “merecer” um amor que já foi ofertado com graça. Não é uma tentativa de comprá-Lo, ou mesmo “pagar” pela salvação. Mais se parece com gratidão, uma incrível gratidão pelo amor que Deus nos tem.


As malas já estão prontas, lágrimas rolaram em meus olhos. Sei que sentirei saudades dos amores de casa, do aconchego dos pais, das risadas dos irmãos. Mas, é tempo de viver promessas! E, mesmo partindo, vou com a certeza de que os planos de Deus são melhores que os meus. E Seus pensamentos? Ah! Sim, muitos melhores que os meus!


“Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais
alto do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos

pensamentos.” Isaías 55.9

4

viagens, encontros e muitas expectativas

 05 de Junho.

 

   Não sei se você gosta de longas viagens de ônibus, se já cruzou o país em busca de aventuras, ou se prefere ficar no aconchego do seu lar. Pessoalmente, gosto muito de
observar a geografia e como tudo muda à medida que seguimos pela estrada. 


   Foi fascinante partir para missões, viajar sozinha cruzando o Brasil, indo para um lugar que não tinha a menor ideia de como seria. Sempre escolho a janela nessas ocasiões,  para ver tudo com muita expectativa. E quando a noite chega, me delicio em olhar as estrelas. Isso me remete a Abraão, e de como Deus lhe prometera uma descendência como estrelas do céu e areia do mar. Você consegue imaginar essa conversa? Quantos sonhos Deus plantou no coração desse homem? E que aventura linda ele viveu.


   Uma das coisas que mais amo nessa vida missionária, diz respeito aos encontros. Alguns duram apenas poucos minutos, mas são imensamente marcantes, outros são longos e duradouros e quando temos que dizer até logo, nosso coração sente-se doloroso, mas temos a certeza dos reencontros, mesmo que seja na Eternidade. 

 

   Posso falar sobre vários conexões que marcaram a minha história e que me fizeram ver a vida de forma ampla. Mas hoje, quero te contar sobre Sofia e de como nossos olhos se cruzaram, mas deixe que eu comece pelo início. Foi em um sábado a noite, em 2014.

 

   Éramos uma equipe de “Alcance”, nosso propósito em “abordar” pessoas presas em prostituição era o desejo de demonstrar um pouco do amor de Jesus ao ouvi-las e saber como estavam. Nos dividimos em equipes de cinco pessoas e saímos rumo ao local em que se prostituíam levando biscoitos e flores, em uma noite muito fria em Curitiba. 


   Alguns de nós se aproximavam, enquanto outros ficavam na retaguarda a observar se havia algum perigo, cafetão ou coisa do tipo, e também em intercessão para que Deus nos guiasse naquela conversa. Uma amiga liderava nosso grupo e iniciou o bate-papo com Sofia naquela noite congelante. Ela era morena, cabelos lisos e castanhos, estava agasalhada com uma blusa de gola alta e blazer, saia curta e meia calça, sapato alto agulhas fina, se me recordo bem. Era esguia e elegante e nos dissera que aprendera a se cuidar melhor tampado o pescoço para não adoecer. 

 

  Perguntamos como ela estava, se precisava de algo e dissemos que só  queríamos conversar. Pessoas nas ruas sentem-se impressionadas quando vamos onde elas estão não para julgá-las. São curiosas e não compreendem o que nos faz sair em uma noite de frio para dar amor, quando geralmente, outros só querem usá-las. Nos deparamos com as mais diversas reações, da rejeição a um tipo de amor inexplicável. Mas naquela noite, Sofia se abriu e foi comovente ouvir sua história e sobre os sonhos que acalentava.

   Quando nossa amiga iniciou a conversa, meus olhos se cruzaram ao de Sofia e ali naquela esquina, ouve uma conexão de Deus. Então, ela começou a me contar sobre sua vida e como parar ali, naquela esquina a se prostituir.


   Sofia perdera os pais muito cedo, ainda criança teve a rua como cruel “destino”. Sofreu abusos incontáveis e com cerca de quatorze anos começou a travestir-se, suportou tantas dores e perdas que é difícil descrever. Já eram mais de trinta anos vivendo nas ruas e tirando dela o seu sustento. Sonhava ter seu próprio negócio e não mais prostituir-se. Nunca vou me esquecer do seu olhar e de que Deus me permitiu sentir um pouquinho de suas dores e o quanto o amor é forte. Pois, mais importante que sentir as dores de Sofia foi sentir o próprio coração de Deus por aquele ser tão vulnerável, mas tão amado pelo Senhor. O meu desejo é que Sofia se encontre com Jesus e seja livre, completamente livre, e que se torne parte desta família.


   Somos as estrelas que Deus mostrou a Abraão, somos da família da fé. Aqueles que amam o Senhor, se colocam em movimento valorizando encontros. Somos os filhos do seu amor e proclamaremos em todo mundo que Deus resgata a história humana.


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3.16

5

SOBRE CANÇÕES QUE CANTAMOS

   19 de Junho.

    É incrível como as músicas podem nos levar a uma viagem pelo imaginário, através do tempo e do espaço. Melodias que falam ao coração e, quando se trata de missões, também fazem parte de nossas histórias e, em meu caso, desde a tenra infância até estações peculiares. Sempre quero me lembrar das músicas que embalam a fé, e você?

   Quando criança, cantava: “Posso ser um missionariozinho; Se falar de Cristo ao companheirinho; Posso trabalhar em minha terra; Manda-me, pois, Senhor; Hei de orar e trabalhar fielmente; Caso Deus me chame, seguirei contente; Para os campos que vão branquejando; Dispõe de mim, Senhor...”

   Na adolescência, cantávamos: “De todas as tribos, povos e raças; Muitos virão Te louvar; De tantas culturas, línguas e nações; No tempo e no espaço, virão Te adorar; Bendito seja sempre o Cordeiro; Filho de Deus, raiz de Davi; Bendito seja o Teu Santo Nome; Cristo Jesus presente aqui...”

   Jovem me tornei e também cantei: “Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei; Contigo abençoarei povos e nações, e serás uma bênção onde eu te enviar; De ti farei uma grande nação e te abençoarei, te engrandecerei o nome, Sê tu uma benção...”

   O que todas essas músicas têm em comum, além de lembrar-me das raízes? Elas falam do Salvador e do chamado que temos para pregar o Evangelho e fazer discípulos em todas as nações e em todos os povos da terra. Na verdade, bem mais que chamado, tem a ver com uma ordem dada por Jesus. Confesso que senti medo do que poderia acontecer e dúvidas se realmente teria sido chamada a “missão”, principalmente porque demorou um bocado para realizar certos ideais e, na maioria das vezes, não foi do jeito que imaginei. Mas sempre foi surpreendente e tem sido melhor do que eu pude pensar - Isso não significa que tem sido fácil. O que posso dizer é que, em meio a tantos desafios, Deus sempre permanece Fiel. E, quando sinto a paz que excede todo entendimento, passo a conhecê-Lo ainda melhor. Ter a amizade de Deus enche o coração de esperança mesmo em tempos de crise. Nesses sete anos, tenho sido conduzida pelo Senhor à *Bases que trabalham muito com treinamento e liderança e em uma noite, após mais um curso, perguntei a Deus: “Senhor, mais um curso? Mas para quê outro curso, Senhor?” O Espírito Santo me deu uma resposta contundente:

   “E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” Mateus 28.18-20

   Poderia ficar horas falando sobre as canções que marcaram e ainda marcam minha vida. Cada estação traz as próprias melodias, às vezes, sinuosos caminhos. A vida é como quebra cabeça sendo montado peça por peça, no fim, a imagem fará sentido. Cantemos novas canções, sem nos esquecermos daquelas que marcaram nossas histórias com o Senhor. Que os nossos lábios sempre declarem louvor ao Amado do nosso coração!

 

*Bases - Local onde funciona a agência.

   03 de Julho.

 

   Provavelmente não é a primeira vez que ouves tal pergunta. Em muitos momentos na vida somos movidos pelo medo ou impedidos de caminhar por conta dele. Temos medo de não sermos amados, de perder as nossas posses, de nos machucarmos física e emocionalmente. E, o sentimento que foi criado como uma forma de proteção - por exemplo, ao nos depararmos com um bicho peçonhento não vamos simplesmente enfrentá-lo - torna-se em nós prisão!

 

   Sim, o medo pode nos travar, impedir nosso movimento e ainda nos sufocar, porém, quando aprendemos a nos mover mesmo quando o sentimos, podemos experimentar de Deus o significado da verdadeira coragem.

 

  Em missões, foram várias as circunstâncias em que senti tal pavor que, muitas vezes, pensei em abortar meus planos. Quando dividia apartamento com uma amiga missionária e ela ia se casar, tive que me mudar para a casa antiga do seu futuro esposo. Era um lugar obscuro e perigoso. Outra missionária dividiria o novo local comigo, mas acabou desistindo por conta dos riscos. Então me deparei com vários problemas, porque além de um local perigoso e sem companhia, eu não tinha dinheiro suficiente para o aluguel. Meu coração ficou realmente aflito e lágrimas rolaram, era um corte da segurança que tinha e desafios maiores do que eu estava acostumada a enfrentar.

 

   Talvez, seja bobagem para algumas pessoas que leem esse diário, mas foi um momento em que me senti só e não sabia o que fazer. Estava deixando um lugar seguro e cheio de amor para morar sozinha e os recursos necessários para as despesas também. É... Crescer de fato é muito doloroso em algumas situações. Nos estica tanto!

 

   O Senhor acalentou minha alma e me fez descansar em uma fé que não se abala. Falou-me tão profundamente ao coração através de sua Palavra, dando-me confiança indescritível.

 

“Busquei ao Senhor, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores.

Contemplai-o e sereis iluminados, e o vosso rosto jamais sofrerá vexame.

Clamou este aflito, e o Senhor o ouviu e o livrou de todas as suas tribulações.

O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra.

Oh! Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia.”

Salmos 34.4-8

 

   Não conheço as coisas que você teve que enfrentar. Mas sei dos meus próprios traumas e de como o medo se instalou em mim. Sei muito bem o que é fobia ao ponto de não conseguir me mover e nem mesmo gritar por socorro. Aquela sensação de paralisia sufocante! Bom, essa é outra história. De qualquer forma, esta não é a emoção que Deus tem para nós.

 

   A realidade é que o verdadeiro amor lança fora o medo e Ele nos faz corajosos.  Sua promessa está sobre nós e, mesmo que os leõezinhos passem necessidade e fome, podemos provar de Sua Bondade, pois o Senhor nos ama e nós O amamos também.

6

O que você faria se não tivesse medo? (Parte I)

7

O que você faria se não tivesse medo? (Parte Ii)

   23 de Agosto.

   Lembro-me da primeira vez que ouvi essa pergunta queimando em mim. Tantas possibilidades me veem à mente quando torno a me questionar. Sou do tipo prudente, é um dos meus pontos fortes, demoro um bocado para tomar certas decisões. Todo escudo de proteção pode se tornar uma prisão se não o usarmos com a fé. É verdade que não devemos agir com precipitação, mas por outro lado, alguns medos nos impedem de correr riscos que nos farão experimentar aventuras indescritível com o nosso Criador.

 

   Quando eu era apenas uma menina no início da adolescência sofri um trauma muito doloroso que marcou a minha história e minha família. Foi assim que o medo se instalou em nosso lar. Além disso, o meu pai tem problemas cardíacos. Ele foi diagnosticado com miocardiopatia, o coração dele é dilatado. A fragilidade de sua saúde é outro fator que nos desestabilizou emocionalmente, pois convivemos com a possibilidade de perdê-lo. Deus tem mantido sua vida e isso é um verdadeiro milagre o qual somos sempre gratos.

 

   Quais são os seus temores? Talvez você sinta que tem um “chamado” ou deseja ser um “missionário”, e mil pensamentos invadem a sua cabeça... Você pensa em tudo o que tem que deixar e todas as coisas que pode sofrer, não é mesmo? Diga-me o que acredita que faríamos se não sentíssemos o tal medo? Onde pisariam os nossos pés? Onde estaria o nosso coração?

 

   Às vezes, quando estamos na rua evangelizando ou em alguma abordagem com pessoas em prostituição, sentimos certo receio. Sabemos que, de alguma forma, estamos expostos ao “perigo”, porém nós confiamos no Senhor e acreditamos que não estamos só, temos a Sua proteção e Ele é Soberano sobre tudo o que acontece. Nem um fio de cabelo cai das nossas cabeças sem a permissão do nosso Deus.

 

   Pense em sua história e nos sonhos que você tem… pensou? O que te impede de conquistá-los? O que nos impedem de prosseguirmos como homens e mulheres valentes? Há certa frase do Mandela, que ouvi e sempre a repito: “Ter coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele”.

 

  Hoje quero te convidar a escrever seus sonhos, dos mais bobos e ingênuos aos mais ousados e desafiadores. Cada um deles pode ser história pra gente contar e lembre-se de que o verdadeiro amor lança fora o medo.

 

“Não te mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o Senhor, teu Deus, é contigo por onde quer que andares. ”

Josué 1.9

 

  Não importa onde Deus nos plantou, se em uma Agência Missionária ou no Mercado de Trabalho, o que importa é que Ele está conosco, nos ensina, nos ajuda e nos faz corajosos.

  A série Cadernos Perdidos foi escrita por Nayla Cintra, mato-grossense. É missonária desde 2011. tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Atualmente dedica parte do seu tempo para trabalhar com justiça social, com foco em tráfico humano.  

 Se você deseja colaborar com a jornada missionária de Nayla - seja como mantenedora ou intercessora, entre em  contato: naylacintra1@gmail.com

© GAROTAS PEREGRINAS since 2018

Designed by Mariana Baroni

  • Preto Ícone Spotify
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon