Como alguém livre pode ter medo de voar?


Todos querem ser livres, mas será que todos entendem o que é liberdade? Um dia me questionei: como posso ser de fato livre, se de acordo com a bíblia eu sou o sacrifício vivo (Romanos 12:1)? E lembrei de Abraão e Isaque. Abraão levou o seu filho para ser sacrificado, e Isaque simplesmente aceitou ser sacrificado. Ele entendia o que estava fazendo ali e, mesmo assim, não tentou fugir. Chegando lá Isaque perguntou: “Meu pai, eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto?” Gn.22:7.


Podemos perceber que Isaque não era mais uma criança sem entendimento do que estava acontecendo, até porque ele sabia muito bem o que era sacrifício e por isso estranhou a atitude do seu pai de ir oferecer o sacrifício sem o cordeiro. Então, Abraão edificou o altar, pôs a lenha, amarrou Isaque e o colocou sobre a lenha. Isaque não tentou fugir. Deus nos fala que somos o sacrifício vivo, mas ao mesmo tempo diz que foi para a liberdade que nos libertou. Ás vezes, isso soa tão distante do que chamamos de liberdade. Porém, a verdade é que, muitas vezes, não entendemos o verdadeiro sentido de ser, de fato, livre.


Lembro da época que eu achava que era livre, mas na realidade, não era.

Como alguém livre poderia ter o seu interior tão opaco?

Como alguém livre poderia ser refém de suas emoções?

Como alguém livre poderia precisar de constantes afirmações?

Como alguém livre dependia de relacionamentos para ser feliz?

Como alguém livre tinha que sair e fazer o que quisesse para preencher vazios?

Como alguém livre precisa trabalhar de forma exagerada para preencher carências?

Como alguém livre precisa fazer coisas pra Deus para se sentir incluída?

Liberdade não tem a ver com fazer ou deixar de fazer, e sim, com SER.


Existem, hoje em dia, dois extremos: As pessoas que ligam liberdade ao fato de poderem fazer o que elas acham que é conveniente para elas e por isso entendem o viver com e para Deus como uma prisão. Mas ser o sacrifício vivo é o verdadeiro conceito de liberdade. Poder fugir e não querer fugir. Querer - de forma voluntária - se prender a alguém que nos oferece liberdade. Poder escolher entre fazer e não fazer. O fato é que hoje em dia não só as pessoas que estão no “mundo” que estão aprisionadas, mas muitas que estão dentro da estrutura religiosa. E é este o outro extremo. Por dizerem que conhecem Jesus e passarem um conceito de liberdade totalmente diferente daquele que Ele nos ensinou, acabam “manchando” a verdadeira essência da liberdade, e dificultam que outras pessoas possam conhecê-lo.


O conceito de liberdade é mais profundo do que imaginamos. Você simplesmente aceita ser o sacrifício vivo. Você simplesmente quer ser o sacrifício vivo. Você simplesmente entende que não se trata mais de você. Isso é, de fato, ser livre. Que louco, né? Você pode não ter vícios, não ser adultero, mas ser uma pessoa totalmente aprisionada. Presa ao orgulho. Presa as emoções e sentimentos. Presa por querer mostrar apenas uma aparência. Presa no passado. Presa ao egoísmo. Toda vez que não somos transparentes e vulneráveis, acabamos nos tornando presos aquilo que queremos passar para as pessoas. Estamos presos ainda a tantas coisas! Você consegue hoje analisar o que ainda te prende?


Por muito tempo fui presa à relacionamentos, à necessidade de ter alguém ali. Depois fiquei presa ao “fazer” pra Deus e esqueci do ser. Já fiquei presa ao fato de querer passar uma imagem sempre “perfeita”. Passei por processos, e Deus foi quebrando as correntes no momento que decidi reconhecer quem de fato eu sou. Pois é ele quem abre a ferida, mas ele mesmo a trata; ele fere, mas com suas próprias mãos pode curar (Jó 5:18).


Você precisa voar e não ter medo de cair, porque você tem certeza que Ele está ali. Não precisar provar e justificar as suas convicções, porque quando somos livres, fazemos como Jesus: quando ele era confrontando sobre a sua identidade, ele não precisava escrever textos e textos. Apenas Ele precisa saber quem você é, o resto é consequência. Nada te liberta tanto quanto descobrir a sua identidade de filha.


Descobrir o seu valor nEle. Ah, quando isso acontece! Quando entendemos que somos dEle! Quando descobrimos o que Ele pensa ao nosso respeito. Ah, tudo muda! As coisas externas não fazem mais diferença, porque o interior é a verdadeira mudança. Poder fazer o que quiser, mas simplesmente escolher não fazer. Você é livre quando você entende que o amor dele por você não pode ser medido. Quando você falha, mas entende que Ele é Pai, e sempre estará de braços abertos pra você. A culpa não toma mais conta do seu ser. Quando você consegue, enfim, descansar mesmo sem compreender.


Nós somos livres, mas temos medo de voar. Temos medo de ir além. Sim, o “mundo" nos atrai demais, muitas vezes caímos sim, falhamos a todo segundo e erramos toda hora, mas ah...quando a gente ouve pela primeira vez a voz de Jesus, quando sentimos o beijo dele, quando tocamos nas suas vestes, deitamos no seu colo...Tem uma canção que diz assim: “É tarde demais, eu me envolvi demais nos teus abraços e nos teu beijos. Não tenho pra onde ir, não tenho pra onde voltar, JÁ ERA, eu sou teu.” Quando você ouve pela primeira vez a voz doce do amado em meio a tempestade, pode passar o tempo que for, você nunca vai esquecer. Salomão se afastou de Deus:


"Mas o rei Salomão amou muitas mulheres estrangeiras, bem como a filha de Faraó: as mulheres moabitas, amonitas, edomitas, dos sidônios e heteus,das nações sobre as quais o Senhor tinha dito aos filhos de Israel: Você não deve se casar com elas, nem elas com você. Certamente elas vão virar os vossos corações após os seus deuses. Salomão agarrou-se a elas por amor". (1 Reis)


Mas, lá na frente, fala que Salomão não seguiu totalmente ao Senhor e no fim de sua vida, quando já era idoso, ele falou: Tudo foi ilusão. Ele supriu todos os seus desejos, mas passou a vida toda vivendo uma falsa liberdade. Não se trata de uma religião ou de uma estrutura religiosa. Não é sobre regras, mas se trata de uma PESSOA: JESUS. Regras nos aprisionam.


Um dia um amigo me perguntou: “Como pode alguém da tua idade não quer ir em festas, não querer ficar com meninos...aproveitar tudo que a vida tem pra oferecer? Isso é loucura!”. Eu pensei: “Realmente, o evangelho é loucura para muitos”. A liberdade que Jesus nos oferece, nenhuma outra coisa consegue nos oferecer, e só quem já experimentou entende. O conceito de liberdade hoje é deturpado. São festas cheias de pessoas que se consideram “livres” por estarem fazendo o que querem, mas por dentro são aprisionadas. Ou as pessoas que estão dentro da igreja, tentando impor e seguir regras, e esquecendo que Jesus veio justamente pra quebrar todas elas.


O problema é que muitos que dizem conhecer Jesus, são religiosos demais. Dizem que não podem isso, aquilo, aquilo, aquilo. Falam mais do que “não se pode fazer”, porque é mais fácil do que mostrar a verdadeira essência e luz dEle através da sua vida. Quando você conhece Jesus você conhece à liberdade, mas muitas vezes é um processo conseguir usufruir e entende ela.


Ele quer te ensinar a voar. – PERMITA-SE.

Enfim, a liberdade me ouviu

E abriu aquela caixa onde eu estava

Tentei voar, mas minhas asas

Não funcionavam mais

(Não funcionavam mais)

Eu passei tanto tempo ali

Tanto tempo que desaprendi

O que eu mais amava fazer

Que era voar com você

A liberdade me chamou de canto e disse assim

Não deixe nada te dizer quem você é

Você é o que vê em mim

Eu aprendi a voar,

Você me ensinou a voar,

Eu aprendi a voar quando te vi em mim (Priscila Alcântara)


Por Fernanda Pires

1,216 visualizações2 comentários

© GAROTAS PEREGRINAS since 2018

Designed by Mariana Baroni

  • Preto Ícone Spotify
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon