O casamento não é o ponto final

Olá, querida peregrina! Agora que estamos chegando ao fim de mais uma série de devocional, quero lhe dizer que o casamento não é o ponto final de nossas vidas. Sei que viver em família é propósito de Deus, mas saiba que podemos desfrutar dessa realidade através de relacionamentos saudáveis.


No jardim, quando Deus criou a Adão, podemos observá-Lo chegando a uma conclusão: “Não é bom que o homem esteja só...” (Gênesis 2.18). O Senhor não nos criou para vivermos solitariamente, mas sim para caminharmos juntos como pessoas. Sendo assim, é preciso admitir que o casamento não é a única forma de nos relacionarmos em amor uns com os outros. Em Provérbios 18.24 lemos, que há amigos mais chegados que irmãos, além disso, fazemos parte da família de Deus.

Nosso contentamento está em Cristo

O primeiro ponto importante a perceber é que nosso contentamento está em Cristo, no amor do Pai e na presença do Espírito Santo em nossas vidas. Há algo que precisamos nos perguntar: onde está o nosso coração e esperança? Apenas naquilo que é externo e passageiro ou no amor de Deus que temos cultivado dentro de nós? O Salmo 16.11 nos faz pensar em como encontramos prazer no Senhor.

“Tu me farás ver os caminhos de vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícia perpetuamente.” Salmos 16.11

Não pense que não sei o que é sentir-se só, sem perspectiva de futuro pelos sonhos que não conseguiu realizar, pelos filhos que não teve ou pela família que não constituiu, mas saiba que existe um lugar de honra em Deus, quando Ele nos diz: Eu sou o seu marido! Aleluia! E isso enche meu coração de paz, independente dos sonhos que não conquistei. Leia o que diz no livro de Isaías:

“Entoa alegre canto, ó estéril, que nunca teve um filho para criar; irrompe, pois, em canto, brade com júbilo, tu que jamais sentiste as dores do parto; porquanto mais numerosos são os filhos da abandonada do que os filhos daquela que tem marido!”, declara Yahweh. Alarga o espaço da tua tenda, estende as cordas, reforça as estacas. Pois hás de transbordar para a direita e para a esquerda, a tua descendência tomará posse de outras terras e repovoará cidades abandonadas. Não temas, porque não tornarás a ficar envergonhada; jamais te sentirás humilhada, porque não ficarás constrangida. Em verdade, hás de esquecer a condição da tua juventude e não te recordarás mais da humilhação da tua viuvez. Pois o teu Criador é o teu esposo, Yahweh, o SENHOR dos Exércitos é o seu Nome, o Santo de Israel e seu Redentor, ele é chamado o Deus de toda a terra.” Isaías 54.1-5


Felicidade não é um lugar onde vamos chegar quando obtivermos aquilo que temos como expectativa, e sim, o amor que cultivamos dentro de nós. O casamento não te fará mais plena se você já não estiver neste lugar de alegria, mas, quando compreendemos que somos amadas e aceitas nos tornamos feliz no Senhor. E mais, não nos casarmos não nos impede de sermos férteis nas outras áreas de nossas vidas.

Além disso, existe uma grande diferença entre solidão e solitude. Se não compreendermos que estar só em nossa própria companhia é imprescindível para nossa felicidade, não seremos a melhor companhia para mais ninguém.

A sabedoria do tempo

Há uma frase que costumava ouvir por aí: “Nem todas casarão!” Apesar do gosto um tanto cítrico da piada, esta é uma realidade palpável para muitas mulheres e existem inúmeros motivos para isso, um desses motivos são as estatísticas. Há mais mulheres que homens. Além disso, essa pode ser uma escolha lógica para outras de nós.

Agora, olhe um pouco a sua volta. Pense na sabedoria do tempo e das estações. No Livro de Eclesiastes diz que há um tempo para todo o propósito debaixo do céu:


“Para todas as realizações há um momento certo; existe sempre um tempo apropriado para todo o propósito debaixo do céu. Há o tempo de nascer e a época de morrer, tempo de plantar e o tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de edificar, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de lamentar e tempo de dançar,” Eclesiastes 3.1-4


Às vezes, olhamos com tanta força o futuro que esquecemos de ser gratas pelo presente. Deixamos a beleza de cada estação passar porque miramos apenas o que desejamos ter, sonhamos sobre o casamento que teremos e muitos desses sonhos são apenas ilusões abstratas. Não estou aqui para matar o sonho de ninguém, mas é bom nos lembrarmos de valorizar nosso tempo livre e a liberdade que há em estar só. Tirar de cada estação o melhor de suas particularidades é sabedoria, e nunca se sabe quando Deus mudará o nosso caminho.


Quantas de nossas amigas nos dizem: “Não se case!”? Para muitas delas, o casamento não se tornou a primavera perfeita e nem mesmo um sonho real. Sim, viver a dois não é fácil e tem sido frustrante para muitas mulheres. Isso precisa nos ensinar a colocar nossa expectativa quanto ao casamento no lugar certo.


Quando parar para pensar no que você não tem, lembre-se de trazer a sua memória suas alegrias e todos os benefícios de viver a sua própria história. Pois, o casamento não é o ponto final e nem precisa ser seu principal objetivo de vida. Casada ou solteira, saiba que você nunca está só. Há amigos especiais, uma igreja que é família e principalmente um Deus que te ama como nem mesmo um marido ou filhos poderão te amar.


Por Nayla Cintra



738 visualizações

© GAROTAS PEREGRINAS since 2018

Designed by Mariana Baroni

  • Preto Ícone Spotify
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon