Buscar

O que precisamos saber sobre o fim dos tempos?


Se eu te perguntasse agora como vai ser a volta de Jesus, como você me explicaria?

Não sei se acontece o mesmo com você, mas sempre que falamos sobre o fim dos tempos, lembramos dos sinais apontados pela Bíblia. Mas, a volta de Cristo não consiste só em sinais, mas em uma série de eventos que precisamos reconhecer. Por isso, o Webb Venga fez uma lista com alguns pontos importantes e visões diferentes sobre Apocalipse que temos que saber:


1. PRETERISTA: O Apocalipse fala sobre eventos passados

Segundo essa interpretação, os eventos descritos no Apocalipse ocorreriam no momento em que a carta foi escrita e deveriam ser livros com este contexto histórico em mente. Em outras palavras, a carta foi escrita, em primeiro lugar e principalmente, para os cristãos do primeiro século, sob o poder e a perseguição de Roma. Assim, precisamos entender como eles poderiam tê-la lido originalmente, antes de aplicá-la a nós mesmos. Logo, muito do simbolismo presente no livro estaria relacionado aos acontecimentos contemporâneos da época em que foi escrito. Para o Preterismo, muitas profecias do Novo Testamento também foram cumpridas na destruição de Jerusalém em 70 d.C. e em eventos do período da igreja primitiva.


Dentro da interpretação Preterista, ainda existe uma classificação que podemos chamar de Preterismo Moderado e Preterismo Radical (ou Hiperpeterismo). Basicamente a diferença entre moderado e radical é a totalidade - ou não - do cumprimento das profecias. O Preterismo Radical, por exemplo, acredita que tudo foi cumprido em 70 d.C. na destruição de Jerusalém e, depois, na queda do Império Romano. Já o Preterismo Moderado acredita em uma segunda vinda de Cristo, ressurreição dos mortos e julgamento final.


2. FUTURISTA: O Apocalipse fala sobre eventos futuros

Os eventos descritos no Apocalipse foram preditos para se concretizarem num futuro distante, pelo menos do ponto de vista dos leitores originais. Então, o foco está nos eventos que ainda acontecerão, incluindo tempos de “tribulação” e “milênio”. Aqui, cabe incluir uma breve explicação sobre esses tempos:


2.1. Pré-Milenismo Histórico

Interpretação literal das profecias bíblicas. Israel é central no plano de Deus e não é substituído pela Igreja. Jesus volta ao final da grande tribulação, nos encontramos com ele nos ares e descemos para reinar com Ele na terra por 1.000 anos. Aqui, há duas ressurreições para os homens, uma no início e outra no final do milênio.


2.2. Pré-Milenismo Dispensacionalista

Aqui, há um arrebatamento secreto no início da grande tribulação e então, o Espírito Santo é removido da terra durante o período de tribulação. Assim, Jesus volta em duas etapas: uma secreta e outra visível. Deus lida com a Igreja e com Israel separadamente em duas dispensações. Para os dispensacionalistas, a segunda vinda é iminente.

2.3. Amilenismo

Nessa perspectiva, o milênio - 1.000 anos entre a primeira e a segunda vinda de Jesus - é um período simbólico. Aqui, já estamos no milênio, de fato, e o Diabo já está preso. É uma interpretação alegórica da profecia bíblica, especialmente no Antigo Testamento. Para os amilenistas, a segunda vinda também é iminente.


2.4. Pós milenismo

Considerada hiper positiva, essa perspectiva acredita que o Reino já está presente de forma plena e segue avançando. O cumprimento da Grande Comissão acontece antes de Jesus voltar e, depois de evangelizarmos as nações, haverá um grande período de paz. Ou seja, Jesus voltará para um mundo já cristianizado pela Igreja. Aqui, as profecias já foram cumpridas.


3. HISTORICISTA: o Apocalipse fala sobre a história

Essa outra perspectiva de interpretação do Apocalipse, acredita que o livro descreve os principais acontecimentos da história que se estendem desde a morte e ressurreição de Jesus até seu retorno como juiz. Aqui, o Apocalipse pode ser visto como um cronograma, pelo qual podemos interpretar os sinais dos tempos. Em outras palavras, os eventos mundiais de hoje já estão descritos no Apocalipse.



4. IDEALISTA: o Apocalipse fala sobre princípios atemporais

O idealista acredita que o Apocalipse não está falando de um tempo específico, mas de um padrão de eventos ou tendências que serão repetidos ao longo da história. É como um encorajamento para o povo de Deus de todos os tempos que enfrentam perseguição. Nesse sentido, é uma mensagem “atemporal”.


Agora que já vimos um resumo geral, vamos recapitular:

Se estivermos falando sobre as profecias de Apocalipse:

  • Ou eu acredito que já aconteceram (preterista);

  • Ou eu acredito que vão acontecer (futurista);

  • Ou eu acredito que estão acontecendo (historicista);

  • Ou eu acredito que aconteceram várias vezes (idealista).


Uma coisa é fato: independentemente das linhas de interpretações, precisamos crer que Jesus tem um plano que se consolida em algum ponto da história. Nós, Peregrinas, acreditamos que Ele virá, que passaremos por uma tribulação e que, por isso, precisamos nos preparar. Independentemente do que você acredita e do ponto de vista de sua igreja, queremos te convidar a viver um estilo de vida que aponta para Jesus. Todos nós temos a missão de fazê-Lo conhecido e amá-Lo acima de tudo.


61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo