Quem me tocou?

Me lembro bem, desde pequena ouvia pessoas ao meu redor falando de uma mulher que mesmo na multidão era solitária e que mesmo em suas riquezas tinha misérias. Todavia, chegou um dia em que ela foi corajosa e enfrentou todo um mar de toques somente para mostrar sua fé e tocar na orla das vestes de Alguém muito especial que ali estava.


Me lembro ainda de ouvir das mesmas pessoas sobre uma outra mulher, também corajosa, que adentrou em um mar de hipocrisias somente para se redimir e tocar os pés de Alguém muito especial que ali estava.


Me lembro também de descobrir em minhas leituras bíblicas que uma outra mulher também muito corajosa abriu mão de um mar de rotina e lazeres para estar somente sentada, para tocar na atenção e ouvir ensinamentos de Alguém muito especial que estava ali.


Um dia tudo isso não me fazia refletir mais, em certos momentos eu estava à deriva em um mar de multidões, estava também sendo lançada por fortes ondas em rochas de hipocrisia e me afogando em uma rotina que me tirava toda e qualquer possibilidade de tocar nAquele que me faria andar sobre as águas. Tudo em minha mente parecia distante, não sabia como demonstrar fé, não sabia como me redimir e muito menos me sentar e prestar atenção nas palavras do Amor.


Um outro dia tive a oportunidade de me sentar e prestar atenção. Tudo aquilo em minha mente passou a não fazer muito sentido mais, ainda estava submersa na ausência da Vida. Porém eu comecei a nadar, havia um colete salva vidas no louvor de filhos que adoravam ao seu Pai e que envolvia meu tronco, meu coração começou a se redimir, fui levada para a superfície fui colocada em um barco, de cabeça baixa senti uma mão com um peso sobrenatural como a mão de quem iria me ensinar algo e me corrigir, um peso sobrenatural de quem nunca iria me abandonar e que tinha prazer em me amar.


Quem me tocou? Foram as únicas palavras em que eu conseguia pensar, olhei para trás como quem cuspia a água que adentrara no corpo e tirava o ar e não vi ninguém! Não senti mais o toque, mas o Colete que me envolvia eu ainda sentia, percebi que a fé me mantinha no barco e que ela me faria em um outro dia sair dele e caminhar com meu Salvador.


Me lembro bem, o dia em que me tornei a mulher que adentrou em mares profundos e não demonstrou coragem, pelo contrário, mas lembro que o dono da coragem mergulhou até mim e me tocou. Quem me tocou? Foi o Amor.


Por Áquila Basílio


319 visualizações2 comentários

© GAROTAS PEREGRINAS since 2018

Designed by Mariana Baroni

  • Preto Ícone Spotify
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon