Aflições, Vulnerabilidade e Esperança


Faz mais de dois anos que componho o time de escritoras do blog FHOP. Faz mais de sete anos que coloquei os pés na estrada para correr atrás de alguns sonhos, inclusive o de ser missionária. Às vezes, começamos a contar e não paramos mais, não é mesmo, Garotas? Contamos tudo o que temos, o que não conseguimos alcançar... Quando estamos na estrada, podemos nos cansar a certa altura do caminho. Mas é preciso prosseguir, mesmo quando desejamos desistir.


Li um livro sobre vulnerabilidade há poucos dias. Confesso que não tem sido fácil lidar com esse tema - com os desejos que não consegui realizar, com as frustrações e desafios que são gigantes em tantos momentos -, pois lá no fundo, podemos achar que temos que ser fortes o tempo todo. Por outro lado, também não queremos nos colocar como vítimas da vida. Então, me responda: qual é o segredo para sermos garotas fortes e determinadas sem nos enrijecer até perdermos nossa identidade e leveza?

Há alguns anos atrás, quando eu estava com a JOCUM (Jovens com uma Missão), tive um sonho, no mínimo, intrigante. Em meu sonho, eu estava no canto da sala em que as aulas eram ministradas. E lá, diante de toda sala, inclusive dos professores, eu estava nua e me banhava. Fiquei imaginando o significado de tudo aquilo, se haveria algum pecado a confessar ou algo do tipo. Não havia conotação sexual, apenas paz e frescor por me banhar, mesmo ali, na frente de todos os meus amigos e liderança. É verdade que o sonho gerou certa estranheza, confesso, mas também houve muita tranquilidade. Foi uma fase de vulnerabilidade, um tempo de me “despir” e de descobrir muitas coisas a respeito do que Deus pensava sobre mim. Um tempo de aprender a me expor.


Nos “despirmos” pode ser algo desafiador, mas também extremamente corajoso. Escolher tirar as máscaras e as nossas armaduras pode ser tão doloroso. Mas saiba que será libertador. Mesmo quando não temos palavras, não sabemos direito o que dizer, Deus nos traduz. Ele nos entende e caminha conosco, mesmo quando não conseguimos vê-Lo ou senti-Lo.


A Bíblia nos relata histórias de pessoas que foram vulneráveis e encontraram favor. Favor dos homens e favor de Deus. Lembra da história de Ana e de como ela derramou o coração diante do Senhor? Ela derramou a própria dor e o Senhor não a rejeitou, mas lhe acolheu com amor.


“levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente.”

1 Samuel 1.10


Isso não te traz imenso consolo e esperança? Saber que podemos colocar todas as coisas diante de Deus? Nossa alegria e também nossa tristeza; Nossa raiva e nosso amor; Nossa desconfiança e nossa fé; Nosso medo e coragem; Nossa dor e nosso contentamento. Não podemos contar com Ele apenas quando tudo vai bem, mas também em nossos piores dias, nos dias mais traumáticos.


Ele nos ouve, nos vê. Ele não nos abandona, não nega seu amor e não nos deixa só.

Quando plantamos com choro, também podemos colher com alegre satisfação. Ana experimentou a realidade desta promessa. Sua oração foi ouvida, seu coração foi consolado e ela foi atendida. Ela declarou:


“O meu coração se regozija no Senhor, a minha alma está exaltada no Senhor; a minha boca se ri dos meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação.”

I Samuel 2.1 Lembra-se do Salmo 126?

“Quando o SENHOR trouxe novamente restauração a Sião, nos sentimos como num sonho! Então, se nos encheu de riso a boca, e a nossa língua de alegres expressões de louvor. Até nas outras nações se comentava: O Eterno fez maravilhas por esse povo! Sim, realizações grandiosas fez o SENHOR por nós, por esse motivo estamos felizes! SENHOR, traze os nossos cativos de volta, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto do Neguebe. Os que em lágrimas semeiam, em júbilo ceifarão! Aquele que parte chorando, enquanto lança a semente, retornará entoando cânticos de louvor, trazendo seus feixes.” Salmo 126


Eu não sei quais são as suas lutas - aquelas travadas internamente -, mas sei que, tantas vezes, me sinto tão cansada, a ponto de estar exausta. Mas é tão bom saber que não preciso ser forte o tempo todo. Saber que posso pedir a amigos e aos meus líderes que caminhem comigo, que orem comigo e, principalmente, que posso chorar as minhas lágrimas nos ombros de Jesus.


Enfim, que quando estivermos com medo ou exaustas das batalhas, que possamos nos lembrar da canção do Jonh Mark McMillam (How he Loves Us):


Ele tem ciúmes de mim

Me ama como um furacão

Eu sou uma árvore

Dobrando-se sob

O peso do Seu vento e da Sua misericórdia

Quando de repente

Eu estou despercebido dessas

Aflições ofuscadas pela glória

E eu percebo quão belo Tu és

E como é grande Sua afeição por mim

Oh como Ele nos ama...

Nós somos Sua porção

E Ele é o nosso prêmio

Atraídos à redenção pela graça em Seus olhos

Se a graça é um oceano nós estamos todos afundando

Então o céu se encontra com a terra como um beijo molhado

E meu coração queima violentamente dentro do meu peito

Eu não tenho tempo para manter esses pesares

Quando eu penso sobre o modo como

Ele nos ama...


Por Nayla Cintra

944 visualizações4 comentários

© GAROTAS PEREGRINAS since 2018

Designed by Mariana Baroni

  • Preto Ícone Spotify
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon